Palmares

                                       Webmail    Mapa do Site    Fale Conosco
Ferramenta de Pesquisa





Conteúdo do Portal

Pathway


Músicos alagoanos homenageiam Zumbi com canção inédita

sexta-feira, by Daiane Souza

Por Daiane Souza 

“Quando for fazer cantiga, lá na Serra da Barriga, me diga que eu quero ir”. Com esta frase o compositor Petrúcio Baêtto e o músico Gustavo Gomes iniciam a música Ponto do Colibri, resultado de parceria para homenagear o líder Zumbi, no Estado de Alagoas. Inédita, a canção teve como inspiração momentos de reflexão de Baêtto em suas visitas a Serra onde existiu o maior quilombo da América Latina, o Quilombo dos Palmares. 

Compositor de músicas relacionadas com a poesia e influencias regionais, Baêtto conta que quando chegava ao Parque Memorial Quilombo dos Palmares, no alto da Serra, sentia a necessidade de fazer música. Mas não servia qualquer uma, faltava algo de história, de sentimento. Em frases simples o artista apresenta sua relação com a natureza e com o “território negro”. “Ponto do Colibri tem um apelo muito forte. É uma das melhores parcerias que já fiz”, afirma. 

A melodia de Gomes completou a obra. Nela, os sons de viola, violão e violino se harmonizam à percussão e a vocais que levam o ouvinte a refletir sobre sua ancestralidade. “A canção é um lamento, quase um apelo. Com um vocal e um toque mais oriental mostra certa semelhança com cantos africanos”, explica Gomes que afirma ter sido esta sua primeira experiência em musicar uma canção com temática negra.

Repercussão – Depois de finalizada, Ponto do Colibri foi apresentada e transmitida uma única vez no dia 20 de novembro – Dia da Consciência Negra – por meio da Rádio Educativa do Instituto Zumbi dos Palmares de Maceió. Embora pouco conhecida, a canção que já conquistou corações negros alagoanos pode vir a se tornar o Hino da Serra da Barriga e do Parque Memorial Quilombo dos Palmares.

De acordo com Genisete de Lucena Sarmento, representante da Fundação Cultural Palmares em Alagoas, a proposta será feita aos músicos o mais breve possível. “É uma música única, diferente de todas que já vi. Representa bem a ‘terra de Zumbi’”, ressalta. “Para que a obra tome essa dimensão só dependerá do retorno deles”, afirma.

O início - Petrúcio Baêtto e Gustavo Gomes se conheceram há cerca de um ano em um festival de música. Após algumas conversas realizaram seu primeiro trabalho juntos, a música Santa Cruz de Beira de Estrada. A canção trata de uma cultura muito comum nos estados do nordeste do país, o de deixar cruzes de madeira nas rodovias, em pontos onde morrem crianças vítimas de acidentes de trânsito.

De acordo com Baêtto, a parceria deve continuar. “Temos planos para outros trabalhos juntos. Gustavo tem uma inspiração muito grande que dá as músicas um resultado fenomenal”, conta, elogiando o companheiro. Já para Gomes, em especial a canção dedicada a Zumbi, lhe trouxe outra dimensão da cultura negra. “Quero me instruir cada vez mais nesse contexto-identidade”, conclui.

Clique aqui para ouvir a música.

Confira a Letra:

Ponto do Colibri

Letra: Petrúcio Baêtto 
Música: Gustavo Gomes

Quando for
Fazer cantiga
Lá na Serra da Barriga

Me diga que eu quero ir

No vôo do colibri
A estrela de antares
Iluminará Palmares

Não deixará de existir
Não deixará de existir

E assim a gente abriga
A voz numa cantiga

Lá na terra de Zumbi
Lá na terra de Zumbi

Participaram da gravação: Vocais: Gustavo Gomes e Rosa Prédes; Coral: Miquéias Guilherme; Violão: Gustavo Gomes; Violino e viola: Lee; Percussão: China

0 Comentários



Setor Comercial Sul - SCS
Quadra 02, Bloco C, nº 256 - Edifício Toufic - CEP 70.302-000 - Brasília - DF
Telefones: (61) 3424-0100

2017 - Fundação Cultural Palmares

(Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial 3.0 Brasil)


Retornar ao Topo do Portal