Semana do Benin na Bahia: intercâmbio cultural e político





Por Rachel Mortari – Ascom/FCP

A Semana de Cultura do Benin na Bahia contou com momentos de integração, trocas de informações e, também, muita emoção. Além da vasta programação artística e cultural o encontro celebrou um entendimento político entre os dois países. Esse é o primeiro evento de intercâmbio e a previsão é que em abril de 2010 seja realizada a Semana da Bahia no Benin. “Espero poder recebê-los a altura”, afirmou o Ministro da Cultura Beninense, Galou Soglo.


 


O evento aconteceu em Salvador entre os dias 19 e 22 de novembro como parte da programação da Semana da Consciência Negra no Brasil e foi uma co-realização da Fundação Cultural Palmares, vinculada ao Ministério da Cultura e da Organização Não Governamental Ação e Cidadania, em parceria com a Prefeitura Municipal de Salvador, o Governo da Bahia e o Federal e o Governo do Benin.


 


A abertura da Semana, no Museu Muncab com a exposição “O Benin está vivo ainda lá” contou com a presença do Ministro da Cultura do Brasil, Juca Ferreira, do Governador Jacques Wagner, do Secretário de Cultura da Bahia, Márcio Meirelles, do presidente da Palmares, Zulu Araújo e autoridades locais. Além da delegação do Benin: o Chachá VIII, seus filhos Noel Christian Thomas de Souza e Irène Adjonair Délabli Akofodghi e seu irmão mais velho, Marcellin de Souza. O Embaixador do Benin no Brasil, Isidore Monsi e primeiro secretário da Embaixada do Benin no Brasil, Macaire Adjovi.  


 


O ato ecumênico, na Basílica do Senhor do Bomfim, contou apresentação especial do Coro do Teatro Castro Alves, sob a regência do maestro Ângelo Rafael Fonseca. Atabaques africanos e coros de vozes de hinos católicos simbolizaram o sincretismo religioso da cultura baiana. O beninense Chachá VIII conduziu a imagem do Senhor do Bomfim do final do culto.


 


Em visita à Salvador o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu a delegação do Benin e foi coroado pelos babalorixas beninenses. “A coroação é uma homenagem, são coroadas as pessoas que têm uma história. É preciso haver um rei e um reinado”, explicou o babalorixa Dah Alligbonon Akpochihala. Lula também recebeu uma máscara Guèlèdès – um adorno de cabeça de madeira – utilizada em rituais religiosos que expressam o poder feminino sobre a fertilidade da terra, a procriação e o bem estar da comunidade.


 


“É a primeira vez que, na Bahia, um país africano pode homenagear o presidente da República e esse é um momento muito especial, porque para nós os beninenses também são baianos, esclarece o presidente da Palmares, Zulu Araújo. Para ele esse é o coroamento de mais de 30 anos de luta, tempo que foi preciso para o Brasil reconhecer a África como país parceiro. 


 


Em visita a Casa do Benin, no Pelourinho – administrada pela Fundação Gregório de Mattos – , o ministro Soglo entregou ao acervo do Museu um bandeira do Benin. “Foi um momento muito emocionante”, conta Iray Galrão – responsável pelo acervo do Museu – os beninenses que visitavam o museu cantaram seu hino nacional e os brasileiros presentes o hino nacional brasileiro. Foi um momento espontâneo que sintetizou a emoção do encontro.


 


Comida, diversão e arte – O intercâmbio entre o Brasil e o Benin contou com momentos de muita descontração no jantar de sabor beninense e nos shows que levaram milhares de pessoas ao Pelourinho ao som do Cortejo Afro, Sandra de Sá, Gerônimo, Margareth Menezes e muitos outros convidados.


 


No palco os artistas do Benin também apresentaram seu show. Ao som de tambores legitimamente africanos os bailarinos do Balé Nacional do Benin mostraram a brasileiros e turistas uma dança de raiz. Já nas passarelas, modelos brasileiros, exibiram as cores e os tons típicos da África do estilista beninense Ahovo Gille Leonce. Na pista de dança DJ´s brasileiros e africanos comandaram a festa eletrônica, que apresentou releitura de músicas contemporâneas de artistas africanos e, principalmente, do Benin.


 


Para ver imagens do encontro, clique aqui.

De |novembro 25th, 2009|Notícia|Comments Off on Semana do Benin na Bahia: intercâmbio cultural e político