Palmares

                                       Webmail    Mapa do Site    Fale Conosco
Ferramenta de Pesquisa





Conteúdo do Portal

Pathway


Mãe Menininha defendia convivência pacífica das religiões

sexta-feira, by Ascom

Neste domingo, dia 13 de agosto, completam-se 31 anos da morte de uma das mais importantes líderes religiosas brasileiras: a iyalorixá Mãe Menininha do Gantois.

Maria Escolástica da Conceição Nazaré nasceu em Salvador, no dia 10 de fevereiro de 1894, na Rua da Assembleia, no Centro Histórico da capital baiana. Filha do casal Joaquim e Maria da Glória, Maria Escolástica descendia de africanos. Ainda criança, a escolheram como iyalorixá do terreiro Ilê Iyá Omi Axé Iyamassê, fundado em meados do século 19 por sua bisavó, Maria Júlia da Conceição Nazaré.

A religiosa ganhou o apelido de Menininha devido ao aspecto franzino. Em 1918, substituiu a madrinha, Mãe Pulchéria, que morreu, na função de iyalorixá do Terreiro do Gantois. A jovem foi a quarta líder do Terreiro e se transformou na mais famosa iyalorixá brasileira.

Mãe Menininha atuou como uma das principais responsáveis pelo fim da perseguição ao candomblé, que era inclusive legalizada. Até então, exigia-se autorização policial para funcionamento dos terreiros e as cerimônias deveriam acabar às 22h.

A líder espiritual também abriu as portas do Gantois para brancos e católicos. Mãe Menininha pregava a boa convivência entre as diversas crenças. Frequentava a missa e até convenceu os bispos baianos a permitirem a entrada nas igrejas de mulheres vestidas com as roupas do candomblé.

Aos 29 anos, Menininha casou-se com o advogado Álvaro MacDowell de Oliveira, com quem teve duas filhas, Cleusa e Carmem. Personalidade de carisma, Mãe Menininha era querida pelos artistas. Dorival Caymmi a homenageou com a canção Oração de Mãe Menininha, que virou sucesso em uma gravação de Gal Costa com Maria Bethânia.

Em 1976, a escola de samba carioca Mocidade Independente de Padre Miguel desfilou no Carnaval com o enredo Mãe Menininha do Gantois, composto pelo carnavalesco Arlindo Rodrigues e interpretado por Elza Soares e Ney Vianna.

Mãe Menininha do Gantois morreu em Salvador, em 1986, de causas naturais, aos 92 anos de idade.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *



Setor Comercial Sul - SCS
Quadra 02, Bloco C, nº 256 - Edifício Toufic - CEP 70.302-000 - Brasília - DF
Telefones: (61) 3424-0100

2017 - Fundação Cultural Palmares

(Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial 3.0 Brasil)


Retornar ao Topo do Portal