Presidente Erivaldo fala sobre as metas da Fundação Cultural Palmares para o ano de 2019.

O presidente da Fundação Cultural Palmares, Erivaldo Oliveira falou nesta sexta feira (11) as pretensões, metas e objetivos para FCP no de 2019

No primeiro semestre do ano terá o lançamento da segunda edição do livro Conhecendo Nossa História – Da África ao Brasil. Um material didático de grande importância, que tem como papel, ser o aliado no resgate e no conhecimento da história, da cultura e das manifestações afro-brasileiras e de matriz africana.

“Precisamos contar a história dos grandes heróis e heroínas negros” Afirma Erivaldo Oliveira. 

A reinauguração da Biblioteca Oliveira Silveira na sede da FCP, é umas das grandes metas da instituição para esse ano. O acervo possui mais de 26 mil obras especializadas em cultura afro-brasileira, entre livros, fotografias, quadros, peças e documentos históricos de artesanato, presentes que foram dados por personalidades de outros países, entre outros itens. O presidente ressaltou a importância de reinaugurar a biblioteca para que a sociedade possa ter acesso a todo seu conteúdo.

Com a iniciativa dos governos estaduais o Mapeamento dos Terreiros irá ser ampliado para cada estado da federação. A meta é melhorar as condições de funcionamento dos terreiros por meio de políticas públicas específicas e valorizar o espaço das religiões de matriz africana.  A Fundação Cultural Palmares continuará o seu trabalho de de conscientização e respeito a todas as manifestações religiosas.

O projeto “Virada Afro-cultural”  um projeto de sucesso que visa a mobilidade social e o protagonismo das manifestações culturais afro-brasileiras e de matriz africana, com feiras, cursos de formação e shows de artistas locais e nacionais, também vai continuar rodando o Brasil no ano de 2019 e novos municípios receberam o projeto.

Através da parceria e de uma emenda parlamentar, a FCP junto do Instituto Federal de Brasília (IFB) irá oferecer cursos de formação para estudantes das periferias. Os cursos terão duração de até 02 anos e meio e a previsão para o lançamento do projeto é em março. A Universidade Federal da Bahia (UFBA) juntamente com a Fundação Palmares também irá promover cursos de formação.

“Os alunos poderão sair das periferias ou quilombos para fazer os cursos no Instituto Federal de Educação. O intuito é formar pessoas para gerar empregabilidade, para mudar a estrutura social e empoderar nossos jovens através do conhecimentos. A Palmares entende que não existe mobilidade social sem formação”  

O retorno do “Seminário Estado, Racismo e Violência” que tem como foco, a discussão e proposição de ideias como alternativas para a redução dos diversos tipos de racismo e violência contra a população negra. “Nós não vamos reduzir a violência do país se não promover o desenvolvimento social. É preciso retirar as pessoas das situações de risco e vulnerabilidade social e econômica”

A Serra da Barriga é um símbolo de resistência e preservação da cultura afro-brasileira e cenário do herói que defendeu sua terra Zumbi dos Palmares. Foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 1986 e foi certificada como Patrimônio Cultural do Mercosul em 2017. Um dos grandes objetivos de 2019 é a Serra da Barriga se tornar Patrimônio Cultural da Humanidade.

A Plenário Quilombola também está prevista para o primeiro semestre de 2019. O intuito da FCP é dialogar com os representantes das comunidades quilombolas e apresentar alternativas de como tornar as comunidades mais produtivas, desta forma os remanescentes que permanecerem em sua terra poderão gerar renda e sustento próprio de acordo com sua vocação econômica, seja ela: agricultura, pecuária ou a própria cultura local.

O Projeto Escola Sem Racismo continuará atuando de maneira eficaz nas escolas do Distrito Federal, com a proposta de inserir a educação étnico-racial na grade escolar durante todo ano letivo, empoderando e conscientizando crianças, jovens e funcionários da escola, trazendo à tona a discussão do que tem sido e pode ser feito para reduzir o racismo nas instituições de ensino. 

Este ano a Fundação Cultural Palmares comemora seu 31° aniversário e os planos para 2019 é continuar a fomentar a mobilidade social para a população negra, promover e preservar a nossa cultura, e combater diariamente o racismo religioso e todo tipo de discriminação racial.

Avante, Palmares!