Hoje nascia André Rebouças – O engenheiro abolicionista

André Pinto Rebouças nasceu na cidade de Cachoeira – BA, em 13 de janeiro de 1838, filho mais velho de Antônio Pereira Rebouças e Carolina Pinto Rebouças. Possuía sete irmãos.

Embora vivendo no século XIX, numa família de afrodescendentes, sua mãe era filha de comerciantes e seu pai, um homem importante e de grande prestígio na época. Advogado autodidata, representou o estado da Bahia na Câmara dos Deputados por diversas legislaturas, foi secretário de governo da, então, província de Sergipe, e conselheiro do Império.

Essa condição familiar atípica para o período garantiu a André Rebouças e seus irmãos uma educação de qualidade. Em 1846, muda-se com a família para o Rio de Janeiro e, em 1854, aos 16 anos, ingressa, junto com seu irmão Antônio Rebouças, na Escola Militar (posteriormente, Escola Politécnica, no Largo do São Francisco), de onde saem, após conclusão do curso preparatório, como 2º tenente do Corpo de Engenheiros. O complemento do estudo de ambos se dá na Escola de Aplicação da Praia Vermelha. André tornou-se bacharel em Ciências Físicas e Matemáticas, em 1989, obtendo o grau de engenheiro militar, no ano seguinte.

Novamente em companhia de seu irmão Antônio, viaja para a Europa motivado pelos estudos, entre fevereiro de 1861 e novembro de 1862. Ao retornar, passam a trabalhar como comissionados do Estado brasileiro com a incumbência de vistoriar e aperfeiçoar os portos e fortificações litorâneas, elementos estratégicos na garantia da soberania brasileira.

Atuou como engenheiro militar na Guerra do Paraguai, a partir de maio de 1865, porém dado a problemas de saúde, retorna à capital do Império em julho de 1866.

Desse momento em diante, passa a desenvolver projetos com seu irmão Antônio na tentativa de estruturação de companhias privadas com a captação de recursos junto a particulares e a bancos, visando a modernização do país.

As obras que André realizou como engenheiro estavam ligadas ao abastecimento de água na cidade do Rio de Janeiro, às docas Dom Pedro II e à construção das docas da Alfândega. Os irmãos Rebouças foram responsáveis pelo projeto da estrada de ferro que liga Curitiba ao porto de Paranaguá, considerada, até hoje, uma obra de concepção arrojada.

Na década de 1880, André se engaja na campanha abolicionista, ao lado de Joaquim Nabuco, José do Patrocínio, Cruz e Souza, e Machado de Assis, todos representantes da diminuta classe média negra em ascensão durante o Segundo Reinado.

Ajudou a criar a Sociedade Brasileira Contra a Escravidão, participou também da Confederação Abolicionista e redigiu o estatuto da Associação Central Emancipadora. Participou da Sociedade Central de Imigração, juntamente com o Visconde de Taunay.

Dotado de uma visão progressista e liberal, contrapôs-se firmemente à indenização dos senhores de escravos, posto que, conforme defendia, o trabalho desempenhado pelo escravo superava em muito qualquer que tenha sido o investimento feito pelo senhor. Ademais, sustentava que conceder as tais indenizações significaria reconhecer a legitimidade de se possuir escravos, o que para ele era absurdo, já que o desempenho de qualquer trabalho deveria ser retribuído por meio de um salário. Saliente-se que, para André, o salário deveria garantir a autonomia e a dignidade dos trabalhadores, caso contrário, representaria uma re-escravização.

Por meio de seu livro Agricultura nacional, estudos econômicos: propaganda abolicionista e democrática, André Rebouças advogava que a existência de uma real emancipação e integração do negro na sociedade nacional estaria atrelada à garantia de acesso à terra. Argumento esse que até hoje mantém-se relevante.

Monarquista e possuindo vínculos muito estreitos com Dom Pedro II, acompanhou a família real em seu exílio após a Proclamação da República, em 1889. De Lisboa, colaborou com os jornais Gazeta de Portugal e The Times, de Londres.

Em 1892, transferiu-se para Cannes, na França, a pedido de D. Pedro II, lá permanecendo até o falecimento do antigo imperador. Nesse mesmo ano, devido a problemas financeiros, aceitou trabalhar em Luanda, Angola. No entanto, pouco mais de um ano depois, mudou-se para Funchal, na Ilha da madeira.

Deprimido pelo exílio e com constantes problemas de saúde, em 09 de maio de 1898, André Rebouças atirou-se de um penhasco, próximo ao hotel em que vivia.

A importância de André Rebouças para a modernização do país e para a abolição da escravatura revela-se na toponímia de várias cidades brasileiras, a exemplo do bairro Rebouças, em Curitiba, da avenida Rebouças, em São Paulo, e do túnel homônimo, no Rio de Janeiro.

Fontes:

https://bit.ly/2ssMSZ2

https://bit.ly/2FvNqVD

https://bit.ly/2QMEe12

 

De |janeiro 14th, 2019|Banner, Notícia|Comments Off on Hoje nascia André Rebouças – O engenheiro abolicionista