Reinos e Impérios Africanos – Império Cartaginês

Durante o mês de maio, a nossa série Reinos e Impérios Africanos se faz ainda mais importante. Maio é o mês da África, onde no dia 25, celebra-se o Dia da África. Mais à frente, voltaremos a falar o porquê e qual a importância histórica e contemporânea desta data. Por hoje, falaremos do Império Cartaginês.

A cidade-estado de Cartago localizava-se no norte da África, próximo de onde hoje é a cidade de Túnis, capital da Tunísia. Foi fundada pelos fenícios no século IX a.C, povos que durante séculos dominaram o comércio marítimo de metais preciosos, sobretudo no Mediterrâneo, onde fundaram diversas colônias na Sicília, na Espanha e no norte da África. Cartago, inicialmente uma colônia, foi fundada com o objetivo de ser um entreposto comercial na costa africana e possibilitar a exploração das riquezas metalúrgicas da região. Em virtude da pouca terra e da proximidade de vizinhos poderosos, Cartago voltou-se para o mar.

Com a economia centrada no comércio, os cartaginenses controlavam a exploração e venda de metais preciosos no Mediterrâneo Ocidental (Espanha e Sul da Itália, atualmente). Com o tempo, passou a exercer controle político sobre boa parte do Mediterrâneo, controlando as rotas marítimas deste mar por mais de seiscentos anos.

No século IV, a cidade florescia como uma grande e importante cidade, rodeada de templos, palácios e altos edifícios.

No entanto, a prosperidade de Cartago fez com que a cidade-estado entrasse em choque com outra superpotência, Roma. As lutas entre cartagineses e romanos ficaram conhecidas como Guerras Púnicas. A Primeira Guerra Púnica teve início em 264 a.C.

O resultado da guerra mudaria o curso da história e Hannibal Barca, o grande general cartaginês, entraria para a história como um dos maiores gênios militares de todos os tempos. Hannibal lançaria uma das mais incríveis campanhas de ataque já vista: Roma controlava o Mediterrâneo, em virtude da vitória na primeira Guerra Púnica. Hannibal marchou então por terra, pelos Alpes (cordilheira que separa a França da Itália) com seu exército e elefantes, com o objetivo de alcançar Roma e, desta forma, atacar os romanos no seu próprio território. Durante a batalha de Canas, conduziu a maior derrota já sofrida pelo exército romano.

No entanto, Hanníbal não alcançou Roma, pois teve que voltar para defender Cartago. Foi derrotado por Cipião, o Africano. Era o fim da Segunda Guerra Púnica, em 202 a.C. Cartago perdeu seus territórios ultramarinos, sendo obrigada a pagar pesados impostos e foi despida do poder militar. Temendo que a cidade-estado se reerguesse comercial e militarmente, os romanos voltaram a atacar Cartago, era a Terceira Guerra Púnica. Cartago foi incendiada, dizimada e o seu chão foi salgado, para que nada nele crescesse. Era o ano de 146 a.C. Chegou ao fim o Império e a hegemonia de Cartago na região.