Palmares avalia obras do II Prêmio Oliveira Silveira

A Fundação Cultural Palmares (FCP) avaliou na última semana, por meio da Comissão de Seleção, as obras habilitadas do II Prêmio Oliveira Silveira. A banca composta por oito profissionais que são referências nas áreas de Educação, Literatura, Cultura Negra, por autores literários de temáticas negras e representante do mercado editorial considerou os critérios de criatividade, comunicabilidade, originalidade, estímulo, escrita, ilustração e autodeclaração por cor/etnia. O resultado será divulgado até o final de novembro, durante as festividades do Mês da Consciência Negra.

De acordo com Lorena Marques, coordenadora técnica do gabinete da FCP, a FCP selecionou cada componente da Comissão considerando o seu currículo acadêmico comprovando competência para a avaliação de temáticas negras e específicas da literatura infantojuvenil. A banca foi composta por representantes da Secretaria Especial de Cultura do Ministério da Cidadania e por representantes da sociedade civil com reconhecida competência na área de Humanidades, com ênfase em Literatura Infantojuvenil e em Cultura Afro-brasileira. Todos os participantes são autodeclarados negros.

Da banca, participaram Zair Henrique Santos, Sonia Maria Gomes Sampaio, Mariangela Ferreira Andrade, Maria Batista Lima, Welis Soares Couto, Vagner Amaro Rosa, Nelson Fernando Inocencio da Silva e Antônio Marcos Moreira da Silva. Lorena explica que tudo foi trabalhado da melhor maneira para que as obras fossem avaliadas sob diferentes aspectos garantido a qualidade do material que será publicado por meio do Prêmio.

“Do mesmo modo que fomos rigorosos em nossas exigências no edital, providenciamos que o resultado da segunda edição, a partir de uma avaliação também rigorosa esteja à altura do nosso público”, disse. Ela se refere a dedicação dos autores quanto à estética dos textos, das ilustrações, do conteúdo, aspectos que despertam o interesse dos leitores para a diversidade que precisa ser conhecida e valorizada.

Impressões técnicas – Para Maria Batista, doutora na área de Educação e docente da Universidade Federal de Sergipe (UFS) participar da Comissão foi uma experiência enriquecedora. “Tivemos bons trabalhos inscritos e seus autores nos trouxeram diferentes olhares sobre a questão étnico-racial. Inclusive, despertando para a necessidade que existe, de apoio, para que suas realidades sejam cada vez mais registradas por meio da literatura”, afirma.

A doutora chama a atenção, ainda, para o cuidado tido pela Fundação no sentido de garantir a representatividade regional de autores e de obras. “Uma importante ação garantindo espaço aos distintos cenários brasileiros e fortalecendo a literatura como instrumento de combate ao racismo”, disse Maria, destacando que as mudanças sociais são fortemente influenciadas pelo acesso à informação.

Outros olhares – Já Antônio Marcos Moreira da Silva, teórico da área de Literatura, complementa destacando que vários olhares podem ser dados às obras e ao que elas representam no espaço de avaliação. “Muitos dos autores que participam do processo seletivo, não fosse essa oportunidade, não teriam outros meios de publicar suas obras”, disse, recordando que além da questão racial, há ainda a realidade financeira e outras questões.

Em um debate maior, Mariangela Ferreira Andrade, da Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cidadania, faz uma reflexão com relação ao que ainda precisa ser feito no âmbito das políticas públicas e das ações afirmativas para que o racismo possa, um dia, ser superado.

Conheça a Comissão de Seleção do II Prêmio Oliveira Silveira
Antônio Marcos Moreira da Silva (lattes)
Mariangela Ferreira Andrade (lattes)
Maria Batista Lima (lattes)
Nelson Fernando Inocencio da Silva (lattes)
Sonia Maria Gomes Sampaio (lattes)
Vagner Amaro Rosa (lattes)
Welis Soares Couto é escritor com várias obras literárias publicadas, pertence à Academia Municipalista de Letras de Minas Gerais, com sede em Belo Horizonte (MG), ao GEL – Grêmio de Estudos Literários de João Monlevade e à Casa do Escritor, São Roque (SP).
Zair Henrique Santos (lattes)