FCP em Alagoas prepara ações preventivas e reparatórias para a Serra da Barriga

Por Daiane Souza

A representação da Fundação Cultural Palmares em Alagoas (FCP/AL) prepara série de ações preventivas e reparatórias para a Serra da Barriga. As medidas estão sendo tomadas desde que uma área da Serra, localizada em União dos Palmares, foi incendiada na última quarta-feira (25). Por pouco, o incêndio não atingiu ao Parque Memorial Quilombo dos Palmares, dedicado ao líder negro Zumbi.

As medidas de prevenção e reparatórias incluem a capacitação de posseiros da região para o preparo de lavouras e a conscientização para o uso da agro-ecologia. Além disso, a FCP se organiza para a construção de um viveiro com o objetivo de garantir a produção de mudas nativas para o reflorestamento das áreas devastadas na área tombada da Serra.

Para a representante da FCP em Alagoas, Genisete de Lucena Sarmento, é importante trabalhar não apenas as medidas de reparação, mas especialmente as preventivas. “A proposta é reduzir e até eliminar as possibilidades de incêndios que ameaçam com frequência nossa fauna e a flora”, disse. Segundo ela, existem técnicas de lavoura que não necessitam ser associadas a coivara, a qual se utiliza do fogo para a limpeza da área a ser plantada.

Histórico – O incêndio foi provocado por imprudência de um morador vizinho da reserva. As chamas atingiram a mata nativa da reserva após o agricultor ter ateado fogo em seu lote na tentativa de preparar a terra para plantação. As chamas tomaram grandes proporções e os colaboradores da FCP tiveram dificuldade de controlá-las apesar da ajuda do Corpo de Bombeiros.

O incêndio iniciado pela manhã só foi controlado no início da noite. As dificuldades se deram por se tratar de uma área de difícil acesso. A extensão dos danos ambientais ainda não foi calculada. O Corpo de Bombeiros local se comprometeu a entregar o laudo técnico sobre o incidente em 30 dias. O documento será encaminhado aos órgãos competentes para que sejam tomadas as medidas cabíveis.

Preocupada com o ocorrido, Genisete se comprometeu a, junto aos guardas florestais, ter uma conversa mais séria com os posseiros da região. “Temos que prevenir outras situações como a que foi registrada nessa quarta”, disse. “Pois a floresta demora muito para se recompor”, completou.

Para que as medidas sejam implementadas a FCP já trabalha a possibilidade de parcerias com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), o Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA) e da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

De |abril 27th, 2012|Notícia|Comments Off on FCP em Alagoas prepara ações preventivas e reparatórias para a Serra da Barriga