Centenário Solano Trindade











Por iniciativa do deputado Vicentinho (PT-SP), a Câmara Federal realizou,
no dia 08/08, sessão solene em comemoração aos
cem anos de nascimento do grande poeta Solano Trindade








SOLANO TRINDADE POR SUA FILHA RAQUEL



No dia 24 de julho de 1908 – isto é, há cem anos – nascia Solano Trindade, um poeta de importância fundamental para a literatura afro-brasileira. Solicitamos à sua filha, Raquel Trindade, que falasse (ou melhor, escrevesse) um pouco sobre seu pai e ela gentilmente nos brindou com o texto a seguir, que desenha um rosto bem humano de um poeta que precisa ser lido sempre, especialmente pelas novas gerações.


Solano Trindade, meu pai
Raquel Trindade


Creio que é o sonho de toda criança: ter um pai como o meu. Na época em que os pais batiam muito nas crianças, ele era carinhoso e paciente com a gente: eu, Godiva, Liberto e Chiquinho. Em 1945, ele já falava no Direito da Criança, quando essa lei nem sonhava em existir.


Antes de sair para o trabalho, para vender seus livros e quadros (que trabalho, dirão meus irmãos trabalhadores, ele dizia quando entrava no trem da Leopoldina em Duque de Caxias, no Rio), ele brincava com a gente no quintal.


Um dia uma vizinha foi fazer queixa de mim, porque eu tinha batido no filho dela. Ela dizia:  – Essa menina precisa de uma surra.


Meu pai, pra satisfazer a vizinha, disse pra mim: – Você não quer ser artista? Vamos fazer um teste, eu vou bater com o cinto na parede e você grita como se estivesse apanhando de verdade. E assim foi… A vizinha ouviu os gritos de sua casa, e foi encontrar minha mãe Margarida no caminho: – Dona Margarida, estou morrendo de remorso, fiz queixa da Raquel e seu Francisco deu uma surra nela.


Margarida – Francisco, você bateu em Raquel?


Solano – Que nada, essa menina é uma artista, eu batia na parede e ela gritava.


De tarde, a vizinha, ainda com remorso, me trouxe um bolo.


Quando eu tinha 8 pra 9 anos, meu pai arranjou um emprego no IBGE da Praia Vermelha (Rio), só que me levava junto, assinava o ponto e saía comigo, me levava na Pinacoteca, na Biblioteca Nacional, na Escola de Belas Artes, no Municipal do Rio de Janeiro para assistir óperas, balé e música clássica. Parávamos depois no bar Vermelhinho, na rua Araújo Porto Alegre, em frente à Associação Brasileira de Imprensa, onde ele se encontrava com Grande Otelo, a pintora Djanira, Aldemir Martins, o sociólogo Edson Carneiro, com quem, junto com a minha mãe, criou o Teatro Popular Brasileiro. Estava também o Barão de Itararé, Silveira Sampaio, Paschoal Carlos Magno, Aníbal Machado, a intelectualidade e os militantes de esquerda do Rio de Janeiro. E nessa, esquecia de assinar o ponto de volta no IBGE.


À noite, íamos assistir o Teatro Experimental do Negro, do Abdias Nascimento; outra noite, a Orquestra Afro-Brasileira e Abigail Moura; outra noite, o Ballet Afro de Mercedes Batista e o ensaio do grupo folclórico de Haroldo Costa, onde minha mãe ensinava dança.


Meu pai conversava muito comigo, me falava dos problemas raciais, da má divisão de renda do povo brasileiro. Me dizia do respeito que se devia ter com as diferenças, me falava da história da África, como eu devia me orgulhar de ser negra, sem discriminar qualquer outra raça. Enquanto minha mãe (terapeuta ocupacional, trabalhou no Museu da Imagem do Inconsciente, com a Dra. Nise da Silveira; era uma exímia costureira, bordadeira) me ensinou a fazer os serviços domésticos, a ser sempre honesta, a me afastar de vícios, como fumar e beber.


Ela, mesmo presbiteriana como era, me ensinou todas as danças folclóricas, com exceção das danças dos Orixás, que aprendi quando entrei no Candomblé.


Papai me orientava para as artes, me levando a ateliês de seus amigos, comprando livros, porque sabia que eu gostava de ler.


Fiz o primário gratuito porque tinha uma senhora, Dona Armanda Álvaro Alberto, que mantinha uma escola para as crianças pobres de Caxias, muito avançada, nos moldes europeus.


Mas o ginásio, não tinha público, papai pagava com dificuldade, pois ele vivia da arte. Aí eu atrasava o pagamento, passava abaixadinha na Secretaria para que o Dr. Ely Combat (diretor do ginásio de Caxias) não me visse, aí ele ia até a sala de aula e falava:


– Quem não pagou a mensalidade não faz prova…


Falava com papai, ele dizia: – Filha, não vou lhe deixar nada material, só o que você estudar, vou pra cidade tentar vender um quadro ou livros, mas você não vai perder a prova.


Eu tinha uns 9 anos quando ele foi preso político. Policiais truculentos, armados até os dentes, invadiram à noite a nossa casa, ele estava de cueca “samba-canção”, acalmava a gente, eu e minha irmã chorando, Liberto com sarampo na cama que os policiais reviraram dizendo que tinha armas escondidas. Logo papai, que era pacifista como Gandhi, mamãe ficou brava com os policiais.


Levaram ele… Mamãe ia de prisão em prisão com a gente, até que descobriu que ele estava preso incomunicável na Rua da Relação.


Depois, quando eu estudava o clássico, me levou para a Europa com o elenco do Teatro Popular Brasileiro, ele foi de avião, nós fomos no navio Louis Limiere, e voltamos no Provence.


Em 1961, convidados pelo escultor Assis, viemos para o Embu.


E hoje coloco em prática, com filhos e netos, todos os ensinamentos desse grande pai Solano Trindade.


Obrigada meus pais Francisco Solano Trindade e Maria Margarida da Trindade por terem existido.



Raquel Trindade, 26 de junho de 2008 –  Embu das Artes, São Paulo – Brasil



Poema inédito de meu pai:

Nem só de poesia vive o poeta


Nem só de poesia vive o poeta
há o “fim do mês”
o agasalho
a farmácia
a pinga
o tempo ruim, com chuva
alguém nos olhando
policialescamente
De vez em quando
um pouco de poesia
uma conta atrasada
um cobrador exigente
um trabalho mal pago
uma fome
um discurso à moda Ruy
E às vezes uma mulher fazendo carinho
Hoje a lua não é mais dos poetas
Hoje a lua é dos astronautas


Solano Trindade
1969



Fonte: Quilombhoje





 

UM CENTENÁRIO POETICAMENTE NEGRO

 

Se estivesse vivo, o pai da poesia assumidamente negra completaria 100 anos de idade

 







Colaboração: Juliana Costa

 


Imagine um homem negro, considerado por intelectuais e crítica especializada como um dos nomes mais relevantes do cenário cultural brasileiro. Imagine-o como uma pessoa consciente da importância de seu papel, mas ligado às suas origens e preocupado com questões sociais. Depois de sua morte seria natural que ele, considerado um gênio, fosse imortalizado através da propagação de seu nome e de sua obra, certo?

Sim, isso seria mais do que justo. Mas não foi o que aconteceu com Solano Trindade.





Nascido no Recife de 1908 e falecido em 1974, no Rio de Janeiro, Trindade foi poeta, ator, pintor e cineasta, além de trabalhar com dança e teatro. Nascido pobre e negro, conseguiu, através de sua arte e seu trabalho, ser reconhecido nacional e internacionalmente, mas hoje está quase completamente esquecido.


Mesmo reverenciado por nomes como Carlos Drummond de Andrade, Darcy Ribeiro, José Louzeiro e Sérgio Milliet, Solano não consta nos manuais de Literatura, não é um autor mencionado nas escolas e nem é encontrado com regularidade nas livrarias e bibliotecas.


Prova disso é que mundos tão diferentes quanto os de Carla Maria, 24, auxiliar de serviços gerais e Josbeth Macário, 24, jornalista, concordam num ponto: desde os tempos de escola (ela, em instituição pública; ele, em instituição privada) até hoje, nunca ouviram falar do nome, da obra e da importância de Solano.


“É mesmo uma pena ter de reconhecer que um autor com tantos predicados tenha sido assim negligenciado. Mesmo com todos os meios de popularização dos quais dispomos hoje, ele foi deixado de lado – apesar de toda a produção e de todo o esforço dele pra contribuir pra melhoria da sociedade”, afirma o jornalista. Já Carla faz a seguinte colocação: “Vai ver, isso aconteceu também porque ele era preto. Você sabe, tem gente que discrimina, com ele não ia ser diferente.

Injustiçado





Apesar das dificuldades editoriais do período, Solano deu contribuições valiosas à produção nacional. Seu maior legado, afirmam especialistas, é ter sido o pai daquela que foi e é chamada a poesia assumidamente negra – a que, como ele mesmo definiu, cantava no “estilo do nosso populário, buscando no negro o ritmo, no povo em geral as reivindicações sociais e políticas e nas mulheres, em particular, o amor”.





Além do quase total esquecimento em que suas contribuições caíram, sua obra até hoje não ganhou numerosas reedições, tal como aconteceu com autores contemporâneos dele. Houve uma tentativa da editora Cantos e Prantos, ocorrida em 2000, com o objetivo de reunir a obra do poeta no volume intitulado Solano Trindade – O Poeta do Povo. A publicação nunca saiu devido a problemas estruturais da pequena editora. Em 25 de junho deste ano, foram lançados os livros Tem Gente com Fome e Poemas Antológicos, em comemoração ao centenário do autor.


Ainda assim, o acesso à obra de Solano é difícil. Para todos os efeitos, quem quiser ler qualquer verso deste autor terá de recorrer a bons sebos ou a uma pesquisa online.





A presença de uma personalidade artística tão fértil e engajada como a deste autor causava, a um só tempo, admiração e rejeição em diferentes camadas da sociedade brasileira. Exemplo disso é que, mesmo elogiado por tantos artistas e intelectuais, seu trabalho com o Teatro Experimental do Negro recebeu violentos ataques de conservadores. A estréia do TEN, em 1945, foi “brindada” com um editorial, no jornal O Globo, que afirmava se tratar de “um grupo palmarista tentando criar um problema artificial no País”.



Núcleo de Teatro Experimental do Negro-SP (1951) / Diretor Solano Trindade




Militância




Não foram apenas as artes que ganharam com as contribuições de Solano Trindade. Ainda dentro da esfera da responsabilidade social, o artista contribuiu com a realização de diversos eventos que visavam o combate à desigualdade social e a valorização do negro. Nesse intuito, organizou, na década de 1930, o I e o II Congressos Afro-Brasileiros e fundou, com Barros Mulato e Vicente Lima, a Frente Negra Pernambucana e o Centro Cultural Afro-Brasileiro; na década seguinte, criou o Grupo de Arte Popular e o Comitê Democrático Afro-Brasileiro, além de lançar o Teatro Experimental do Negro, o Teatro Folclórico Brasileiro (com Haroldo Costa) e a Orquestra Afro-Brasileira (com Paulo Ramalho); já na década de 1950 fundou, com Edson Carneiro, o Teatro Popular Brasileiro e criou o grupo de dança Brasiliana, que bateu recorde de apresentações no exterior.




Apesar da relevância que seu nome ganhava, ele fazia questão de dar aulas e oficinas para operários, estudantes e desempregados. Seus esforços foram muito importantes e reconhecidos por contemporâneos, o que provocou a reação do conservadorismo reinante na primeira metade do século XX (vide a reação de algumas instituições da época diante do trabalho do artista) e ainda atuante na segunda metade do período.

Trabalhos


Solano Trindade foi um artista multifacetado. Trabalhou com pintura, cinema, dança, teatro e poesia – esta última, considerada de suma importância por especialistas.



Escreveu os livros Poemas Negros, Poemas de Uma Vida Simples, Seis Tempos de Poesia e Cantares de Meu Povo, todos entre as décadas de 1930 e 1960. Atuou nos filmes Agulha no Palheiro, Mistérios da Ilha de Vênus e Santo Milagroso, além de ter produzido Magia Verde, premiado no Festival de Cannes de 1953. Foi o primeiro a montar a peça Orfeu da Conceição, de Vinícius de Moraes, e teve seu trabalho com o Teatro Popular Brasileiro elogiado por grupos como a Ópera de Pequim, a Cia. Italiana de Comédia e a Comédia Francesa, além dos elogios recebidos de personalidades como Edith Piaf.



Em 1988, o Centro Cultural Solano Trindade (fundado em 1975) publicou o livro Tem Gente com Fome e Outros Poemas.



Homenagens e sessão solene



As homenagens em reconhecimento à importância do artista acontecem pelo Brasil. Em Embu das Artes (SP), foi realizado o Festival Solano Trindade entre os dias 21 e 22 de julho; no Recife (PE), a edição de 1º de julho da “Terça Negra” foi especialmente feita para homenagear o centenário do poeta; no calendário de eventos do Conselho Estadual dos Direitos do Negro (RJ) consta a comemoração do centenário de Solano Trindade em 24 de julho.



Na Câmara dos Deputados, em Brasília, uma sessão solene homenageou Solano no dia 8 de agosto. O deputado federal Vicentinho (PT/SP) fez o Requerimento 2680/08, aprovado por seus colegas de Casa, a fim de que a sessão fosse realizada. De acordo com o parlamentar, é apenas uma “homenagem justa” para aquele que foi chamado de “o vento forte da África”.

 

Cojira Alagoas

 









ABERTO O CENTENÁRIO SOLANO TRINDADE 




“Eu estou muito emocionada, muito feliz”, disse Raquel Trindade na abertura do evento que comemora os 100 anos do nascimento de seu pai, Solano Trindade, no palco do Centro Cultural Embu das Artes, em 4 de julho. Revelando a importância de Solano Trindade para a cultura popular brasileira, a Prefeitura de Embu promoveu, junto aos Correios, o lançamento de selo postal e carimbo personalizados comemorativos da data. Durante um mês, todas as correspondências remetidas de Embu terão esses registros, levando a imagem e o nome do principal poeta e ativista negro contemporâneo do país a qualquer parte do mundo.

O multiartista radicado no Embu (falecido em 1974), elogiado por intelectuais como Carlos Drummond de Andrade, Darcy Ribeiro, Sérgio Milliet, entre outros, completaria o centenário em 24 de julho. Para reverenciá-lo, a Prefeitura promove atividades artístico-culturais até o fim do mês.

Solano Trindade não poderia deixar uma herança mais multirracial e cultural. A família Trindade mistura negros, brancos, amarelos, índios. “Papai já tinha a visão de que a gente se unisse a todas as raças, tanto que tenho netos “japonegro”, afro-germânico, e papai falava “tenha orgulho de ser negro e das nossas tradições””, ressaltou Raquel, folclorista e artista plástica que herdou e transferiu para sua geração o talento do pai e também da mãe, Margarida Trindade. Ambos, em 1950, junto com Edson Carneiro fundaram, no Rio de Janeiro, o Teatro Popular Brasileiro, teatro folclórico de valorização da cultura popular. Ela lembrou ainda quando Solano chegou ao Embu, convidado por Sakai e Assis. “Ele ficou louco pelo Embu, achou que tudo que havia de ruim no mundo, Embu tinha de bom”. Das lições deixadas por Solano a Raquel e seus descendentes, uma é lembrada em especial. “Papai certa vez me disse: “não vou deixar nada de material. Se você gosta de arte filha, se entregue a ela. A arte é o alimento da alma”.

Vítor da Trindade e banda cantam Solano

De fato, da arte a família Trindade extrai o alimento que a revigora. Talento os Trindade têm de sobra. Vítor da Trindade, no vocal – ao lado dos filhos Manu, bateria, e MC Trindade, vocal, do percussionista Carlos Caçapava e do baixista Beto Birger – apresentou poesias do avô Solano musicadas por ele. O projeto deve resultar em um CD que inclui no repertório as excelentes “A Velhinha do Angu”, “Xangô”, “Poema à Mulher Negra” e “Navio Negreiro”. Segundo Vítor, antes as canções estavam intelectuais demais, depois ele foi descobrindo novos caminhos, adotando o estilo mais popular possível, como o avô gostaria que fosse.

Antes de apresentar o Maracatu do Teatro Popular Solano Trindade, Raquel Trindade já expressava sua emoção. “Eu sou a mulher mais feliz do mundo. Tenho a arte, filhos, netos maravilhosos, só não tenho dinheiro, mas aí seria covardia… Estou muito feliz”, falou à platéia formada por autoridades municipais e um público que lotou o Auditório Cassio M´Boy para prestigiar o evento.






 

CEM ANOS DE SOLANO TRINDADE 


A razão de ser da cultura popular, expressada em diversas faces da arte, das tradições folclóricas, do patrimônio material e espiritual de um povo, encontrou em Solano Trindade sua marca de manifestação. “Solano”, originário do latim, significa “O vento do levante”. Há quem interprete a palavra como “Vento forte da África”. E foi como um forte vento afro-brasileiro que Solano Trindade movimentou os cenários da cultura popular por onde passou, principalmente entre os anos 30 e 60.


Francisco Solano Trindade nasceu no berço miscigenado da cultura popular, no bairro São José, Recife/Pernambuco, em 24 de julho de 1908. No Embu, ele chegou em 1961 e se apaixonou pela cidade, sendo um dos precursores do movimento que a transformaria em Embu das Artes. Poeta, escreveu Poemas D´uma Vida Simples (1944), Seis Tempos de Poesia (1958) e Cantares ao Meu Povo (1961). Ator, foi o primeiro a interpretar Orfeu da Conceição, de Vinícius de Moraes, no teatro, e participou de filmes como O Santo Milagroso, Agulha no Palheiro e, como co-produtor de Magia Verde, foi premiado em Cannes. Multifacetado, Solano foi também teatrólogo, folclorista, pintor. Sua obra recebeu elogios de intelectuais do porte de Sérgio Milliet, Carlos Drummond de Andrade, Roger Bastide, Otto Maria Carpeux, Darcy Ribeiro, entre outros. Dentre seus poemas, Tem Gente com Fome foi talvez o mais famoso e elogiado, tendo sido musicado em 1975 pelo grupo Secos & Molhados. A censura, no entanto, proibiu a execução e somente em 1980 Ney Matogrosso, já em carreira solo, incluiu a música em seu disco. O multiartista faleceu em fevereiro de 1974, deixando sua arte como legado.




CENTENÁRIO SOLANO TRINDADE


Com o propósito de reviver Solano Trindade no seu centenário – 24 de julho de 2008 – por meio da herança de sua nobre arte e cultura populares, a Prefeitura de Embu dará início à celebração com uma série de atividades que terá a cidade como palco, a partir de 4 de julho. Antecipando a comemoração, dois livros lançados dia 25/6 pela Editora Nova Alexandria resgatam a obra poética do artista: Poemas Antológicos de Solano Trindade e Tem Gente com Fome.


O Centenário Solano Trindade promete movimentar o cenário da cultura popular afro-brasileira. Reunindo os mais diversos e renomados grupos e artistas, o evento tem entre seus convidados os poetas da Cooperifa (Cooperativa Cultural da Periferia), MC Trindade e Tiago Beatbox. Confira abaixo a programação e participe. É imperdível:


4/7 – Sexta-feira – Centro Cultural Embu das Artes – Largo 21 de Abril, 29 – Centro
19 h – Abertura do Centenário Solano Trindade
Cerimônia de Lançamento do Selo e Carimbo Postal Personalizado Comemorativos do Centenário Solano Trindade
Show de Vítor da Trindade – Cantando Solano Trindade, Meu Avô! do Maracatu do Teatro Popular Solano Trindade e coquetel


5/7 – Sábado – Centro Histórico
11 h – Abertura do 2º Festival Gastronômico: o Centenário envolve os aromas e sabores da culinária de Embu, onde pratos de nove restaurantes têm os nomes das poesias de Solano Trindade


12 e 13, 19 e 20/7 – sábados e domingos – Feiras livres, praças e Centro Histórico
Entre 10 e 17 h – Treze poetas embuenses declamam poesias de Solano Trindade: Andrea Neres, Arimatéia, David, Emerson Santana, Fábio, Guilherme, Luiz Fiais, Nei Silva, Noel, Paulo Tadeu, Solemar (Sol), Takumi Roberto e Toninho Poeta


Apresentações artísticas no Teatro Popular Solano Trindade
Avenida São Paulo, 100 – Centro


24/7 – quinta- feira – das 17 às 22 h
Cia. Capulanas
Negronei e o Rosário
Vitor da Trindade – Cantando Solano Trindade, Meu Avô!
Teatro Popular Solano Trindade com a dança Coco de Alagoas e Pernambuco


25/7 – sexta-feira – das 17 às 22 h
Negritos do Samba
Bloco do Barata
Maninho da Cuíca
Revista do Samba
Borba, Murilão e Silvio Modesto
Fabiana Cozza
Osvaldinho da Cuíca


26/7 – sábado – das 15 às 22 h
Núcleo de Repertório do Teatromovimento
Moleques de Caxias
A Quatro Vozes (grupo vocal feminino)
Ballet Afro Koteban
Tião Carvalho (cantor, compositor, músico, dançarino e pesquisador maranhense)
Ilu Krugli, criador do Teatro Vento Forte
Naipe de Percussão do Teatro Popular Solano Trindade Ilá Dudu
Z`Africa Brasil
Teatro Popular Solano Trindade com a dança Jongos Mineiro, Fluminense e da Serrinha


27/7 – domingo – 13 às 21 h
Encerramento
Solaninho
Frevo da Carla
Folia de Reis Gonçalves
Tropeiros da Serra
Congada de São Bernardo
Teatrando
Grupo Cupuaçu – Centro de Estudos de Danças Populares Brasileiras
Allan da Rosa e Aline Reis: Poesia e Acordeon
Ayrá Otá – Vítor da Trindade e Carlos Caçapava
Banda de Percussão Feminina Ilú Obá De Min
Setswana Music Dance (grupo de dança da África do Sul)
Mulungu
Bloco do Urucungos, Puítas e Quijengues
Teatro Popular Solano Trindade com a dança Maracatu


Tem gente com fome
“Trem sujo da Leopoldina,/ Correndo correndo,/Parece dizer:/ Tem gente com fome,/ Tem gente com fome,/ Tem gente com fome…/ Piiiii!/(…) Só nas estações,/Quando vai parando,/Lentamente, começa a dizer:/Se tem gente com fome,/Dai de comer…/Se tem gente com fome,/Dai de comer…/Mas o freio de ar,/Todo autoritário,/Manda o trem calar:/Psiuuuuu…”
Solano Trindade


Maria Regina Teixeira – Prefeitura de Embu – SP






 














DOCUMENTÁRIO SOLANO TRINDADE 100 ANOS FOI EXIBIDO NA LIVRARIA CULTURA





















 

A vida e obra do poeta, teatrólogo, artista plástico e ator Solano Trindade foram apresentadas, dia (24), no auditório da Livraria Cultura do Paço Alfândega, no Bairro do Recife.


O documentário Solano Trindade 100 anos, de Alessandro Guedes e Helder Vieira, é uma homenagem ao escritor pernambucano nascido no bairro de São José, no Recife. O vídeo traz depoimentos de familiares, amigos e estudiosos, inclusive registros audiovisuais do conhecido “Poeta do Povo”. Ele se destacou por uma poesia assumidamente negra e, em 2008, faria 100 anos.
da Redação do pe360graus.com

De |julho 11th, 2008|Notícia|Comments Off on Centenário Solano Trindade