Encontro reuniu organização do 3º Congresso Nacional Unitário de Capoeira, em Brasília

A Fundação Cultural Palmares (FCP-MinC) sediou, nesse domingo (08/03), o lançamento das teses que vão nortear os debates do 3º Congresso Nacional Unitário de Capoeira, previsto para junho deste ano, no Rio de Janeiro. O encontro reuniu em Brasília, 62 dirigentes que compõem organização do Congresso e teve como objetivo principal produzir propostas que ajudem o Estado a elaborar políticas públicas que fortaleçam, desenvolvam e garantam a prática da capoeira.

O coordenador nacional do Congresso, Jairo Júnior, explica que será elaborado um documento, a ser encaminhado para os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, com um relato sobre o que pensa a comunidade capoeirista brasileira. Segundo Jairo, temas como o ensino da capoeira nas escolas, a relação com cultura e a questão racial, a participação das mulheres e a necessidade de profissionalização prática terão atenção especial no debate.

“O objetivo maior da nossa luta é cobrar do Estado o reconhecimento formal da prática e do desempenho profissional das pessoas que vivem da capoeira, seja dando aula, apresentando sua arte, produzindo ações que a como origem e, acima de tudo, produzindo o que a capoeira tem de mais importante que é o saber cultural e popular,” reforçou Jairo Júnior.

O presidente da Fundação Palmares, Hilton Cobra participou da reunião é destacou a participação da Palmares no sentido de manter viva a prática da capoeira. “Ao longo de toda a existência da Palmares fortalecemos nossa parceria com as entidades, mestre e todos que colaboram para a manutenção desse nosso patrimônio. Reconhecemos que a prática da capoeira tem importância não só na questão cultural mas, principalmente no que se refere a identidade brasileira”, destacou.

Capoeira – Originada no século XVII, em pleno período escravista, a capoeira desenvolveu-se como forma de sociabilidade e solidariedade entre os africanos escravizados, estratégia para lidarem com o controle e a violência. Hoje, é um dos maiores símbolos da identidade brasileira e está presente em todo território nacional, além de ter praticantes em mais de 160 países, em todos os continentes.

Roda de Capoeira como Patrimônio Cultural imaterial da Humanidade – A Roda de Capoeira recebeu em 26 de novembro de 2014, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Após votação durante a 9ª sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Imaterial, a Roda de Capoeira ganhou oficialmente o título.

De |março 9th, 2015|Notícia, Secundária|Comments Off on Encontro reuniu organização do 3º Congresso Nacional Unitário de Capoeira, em Brasília