Rio+20 norteará desenvolvimento sustentável para erradicação da miséria

Por Daiane Souza

A Organização da Rio+20, Cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgou na quarta-feira (11), o primeiro rascunho do texto-base que pautará o encontro em junho no Rio de Janeiro. O documento aborda temas baseados nos pilares econômico, social e ambiental do desenvolvimento sustentável e norteará 120 países ao desenvolvimento de soluções para a erradicação da extrema pobreza no mundo.

A Cúpula tem ainda entre suas metas, a redução do impacto na biodiversidade e a resolução de questões diplomáticas como a criação de uma agência ambiental independente a ser sediada no Quênia. A proposta do documento é que entre os anos 2012 e 2015 as nações elaborem metas direcionadas para uma economia verde, que deverão ser colocadas em prática em três anos e consolidadas até 2030. O texto é o primeiro passo para as negociações diplomáticas que ocorrerão durante o encontro.

Desenvolvimento – A preocupação dos países participantes da Cúpula está no fato de no mundo existir 1,4 bilhões de pessoas em situação de miséria. Só o Brasil concentra 16,27 milhões dos extremamente pobres, sobrevivendo com renda per capita mensal de R$ 70. Desta população, 70% são negra e 80% vivem em áreas sem estrutura, segundo informações divulgadas pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), em 2011.

A África subsariana é a região do mundo onde existem mais pessoas a viver com níveis de pobreza extrema segundo informações do Banco Mundial em 2011: cerca de 72% da população subsiste com menos de 2 dólares por dia. Há ainda países cujos dados relativos aos níveis de pobreza inexistem como é o caso da Somália, que teve o agravamento da fome com a seca do último ano. Segundo a ONU, milhares de pessoas morreram e outras 750 milhões podem padecer se não forem adequadamente atendidas.

No relatório é reconhecida a importância de se unir esforços para o enfrentamento do problema. “Reafirmamos a nossa determinação para libertar a humanidade da fome”, diz o documento. “Queremos, por meio da erradicação de todas as formas de pobreza, lutar por sociedades iguais e inclusivas, por estabilidade econômica e crescimento que beneficie a todos”.

Economia verde – No contexto econômico, uma das soluções propostas foi a promoção do uso de tecnologias limpas para a produção de energia. Outras 15 recomendações foram feitas no sentido de garantir a promoção da segurança alimentar, a preservação das florestas, oceanos e mares, além da redução dos impactos no clima.

De acordo com o texto-base, o desenvolvimento sustentável só ocorrerá a partir de uma integração entre os países mais pobres e os países ricos. A ideia é que as barreiras comerciais sejam evitadas a fim de possibilitar financiamentos, trocas de conhecimento e o desenvolvimento tecnológico das nações emergentes. No ítem Meios de implementação é descrito um apelo para que os países ricos atinjam ao menos 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) para assistência oficial às nações pobres e em desenvolvimento até 2015.

Cultura e diversidade – Já no tópico Renovação do compromisso político, os chefes de estado reconhecem a diversidade do mundo e o fato de que todas as culturas e civilizações contribuem para o enriquecimento da humanidade. Eles ressaltam a importância da cultura para o desenvolvimento sustentável e destacam que “o desenvolvimento sustentável guiará a humanidade para viver em harmonia com a natureza”.

De |janeiro 12th, 2012|Notícia|Comentários desativados em Rio+20 norteará desenvolvimento sustentável para erradicação da miséria